quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

DIA DE FÚRIA ! ! !

FOTO: As autoridades do PSDB derrotadas pelo povo de Jundiaí.

O dia de ontem já faz parte daqueles momentos que ficarão gravados para sempre na história de nossa cidade.

Tudo começou pela manhã, quando da inauguração do supermercado Tauste, onde o prefeito Luiz Fernando Machado foi fragorosamente vaiado pelos presentes, o que fez com que ele deixasse o local rapidamente para não passar mais vergonha. Esse fato, é claro, foi escondido da população pela nossa vendida imprensa local.

E no final da tarde, a inesquecível sessão da Câmara Municipal onde a população superlotou o plenário do legislativo jundiaiense.

Vaias do começo ao fim. Pedidos de "FORA LUIZ" e "FORA MARTINELLI" foram frequentes durante todo o tempo. O alcaide não resistiu: Ele retirou o projeto de lei de aumento do IPTU em 25% porque borrou as calças e as cuecas de medo da pressão popular.

Já alguns vereadores oportunistas postavam nas redes sociais que foi graças à intervenção deles que o prefeito desistiu deste aumento absurdo de IPTU. Tudo mentira. Se o projeto fosse ao plenário ele seria aprovado pela maioria dos vereadores sabujos do executivo.

Apenas um comentário sobre o projeto: O secretário Parimoschi justificou o aumento de 25% dizendo que desde 1998 a Planta Genérica de Valores da prefeitura não havia sido atualizada devido ao descaso dos inúmeros governos anteriores.

Oras bolas, de 1998 a 2012, durante 14 anos, o secretário de finanças da prefeitura de Jundiaí foi o próprio Parimoschi, ou seja, se houve alguém incompetente para atualizar os valores do IPTU nestes governos passados, esse alguém foi o próprio Parimoschi.

Voltando ao dia de ontem. Ao final da sessão, o medíocre vereador Antonio Carlos Albino, já na rua e demonstrando total desequilíbrio emocional, chamou os munícipes de "viados". Foi a gota d'água. Um grupo enorme de pessoas partiram para cima do vereador, que fugiu e se escondeu dentro do estacionamento do anexo da Câmara Municipal.

As pessoas se aglomeraram na porta impedindo a saída do parlamentar. De repente, o carro de seu filho, com o vereador escondido dentro, tentou sair do local sem sucesso, pois foi impedido pelos populares. Foi quando surgiu a Guarda Municipal espalhando gás de pimenta no rosto das pessoas. O vereador aproveitou a confusão que ele mesmo causou e saiu em disparada fugindo do povo.

Uma das pessoas atingidas pelo gás de pimenta passou mal, precisando ser atendida, por ser alérgica àquele tipo de substância.

Estes acontecimentos serviram para mostrar duas coisas:

1) Se o prefeito tiver um mínimo de respeito pela nossa cidade, ele deverá exonerar imediatamente o secretário José Antonio Parimoschi, não somente pela sua incompetência, mas também por colocar a cidade e seus habitantes em uma situação aflitiva em virtude de uma sanha tributária evidentemente escorchante.

2) A força que o povo tem. O dia em que as pessoas começarem a exercer esta força, a escória que tomou de assalto a política de nossa cidade há mais de 30 anos será varrida para o lixo da história.

Segue abaixo as cenas lamentáveis protagonizadas pelo vereador Albino, seus assessores e a Guarda Municipal, todos pagos com o nosso dinheiro:

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

E DÁ-LHE IMPOSTO ! ! !

O IPCA - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte.

A expectativa para a inflação em 2017 estimada e medida pelo IPCA deve ficar em torno dos 3%.

O Índice de Preços ao Consumidor aferido pela FIPE - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas encerrará 2017 em 2,25%, segundo analistas.

Aí vem o prefeito de Jundiaí e o gestor de finanças da prefeitura e enviam à Câmara Municipal um projeto de lei que aumenta em 25% o IPTU de 2018. Uma sangria inenarrável no bolso do contribuinte.

Que conta é essa ? Será que o burgomestre Luiz Fernando Machado precisa voltar para a escola e aprender a fazer contas ? Será que o guarda cofres Parimoschi ainda não aprendeu a tabuada ?

Pois é. Com uma inflação de 3% o IPTU da cidade vai aumentar 25%. Eiiiiiittaaaaaaaa Jundiaí, hein ?

Mas pelo menos o secretário Parimoschi utilizou um argumento "novo": Ele disse que a culpa é do Bigardi. He He He, QUE COISA, HEIN ?

Mas não há nada a estranhar em tudo isso. Afinal de contas o secretário Parimoschi trabalhou na imobiliária Jamil Giacomello, onde aprendeu todos os fundamentos básicos de uma sólida economia pública.

Pelas barbas do profeta. É o fundo do poço !!!

Confiram abaixo a punhalada nas costas do povo de Jundiaí:

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

A FARSA ACABOU ! ! !

FOTO: O prefeito Luiz Fernando Machado e o presidente da Câmara Municipal, Gustavo Martinelli, no lançamento da reforma administrativa que iria "mudar" o conceito de administração pública em Jundiaí. Era tudo mentira; era tudo enganação; era tudo um embuste. Assim decidiu o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Caiu a máscara. Mais uma enganação do PSDB foi desmascarada.

A tal reforma administrativa do governo tucano em Jundiaí foi suspensa pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo através de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade de autoria do Procurador Geral de Justiça, Dr. Gianpaolo Poggio Smanio.

O eminente procurador constatou criação indiscriminada, abusiva e artificial de cargos em comissão que não representam atribuições de assessoramento, chefia e direção, inseridos na estrutura do poder executivo do município de Jundiaí.

Após o trâmite desta ação no TJSP, o desembargador Salles Rossi suspendeu os cargos e várias expressões existentes na reforma administrativa da prefeitura diante de toda a fundamentação feita pela Procuradoria Geral de Justiça.

O meritíssimo desembargador ainda requisitou informações ao Presidente da Câmara Municipal e ao Prefeito do Município de Jundiaí a respeito destas ilegalidades.

Após a publicação desta decisão o prefeito Luiz Fernando Machado deve receber a qualquer momento uma intimação judicial que determine a exoneração imediata de todos os cargos de confiança que estão nomeados na prefeitura de Jundiaí, cargos estes indicados pelo próprio prefeito e pelo deputado federal Miguel Haddad.

Que coisa feia, hein ? Tanto discurso a respeito dos tais "gestores" para tudo ser considerado ilegal e suspenso pelo tribunal. São todos uns caras de pau que não se cansam de enganar o povo de Jundiaí. O PSDB é uma grande mentira. Esse governo tucano é uma lástima.

Para conferirem os detalhes deste processo no TJSP cliquem aqui.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

O LIXO DOS MILHÕES ! ! !

Esse saco sem fundo do setor da limpeza pública do município é uma caixa preta que precisa ser escancarada para a população de Jundiaí.

A cidade está um lixo. Mato crescendo para todo lado, galhos de árvores cortadas espalhados pelas ruas, o córrego da Av. 9 de Julho desapareceu sob o mato crescido, enfim, o governo do PSDB é o ó do borogodó.

Vamos aproveitar este momento para irmos fundo neste assunto.

Na década de 1990, durante o governo do nefasto ex-prefeito André Benassi, a empresa TEJOFRAN, ligada intimamente à família do ex-governador Mario Covas, foi contratada pela prefeitura em caráter emergencial e sem concorrência pública.

A empresa da Família Betelli, que prestava serviços de limpeza pública na cidade, foi simplesmente enxotada do executivo municipal pelo então prefeito André Benassi apenas para favorecer a TEJOFRAN.

Há 20 anos a empresa TEJOFRAN vem prestando serviços à prefeitura, pasmem os senhores, em caráter emergencial e sem concorrência pública, com o seu contrato sendo prorrogado a cada 3 meses com um valor médio entre R$ 17 milhões e R$ 18 milhões.

No início do governo Pedro Bigardi, além da TEJOFRAN (agora com o nome TRAIL), foi contratada, da mesma forma, para o serviço de limpeza pública a empresa SANEPAV, ou seja, em caráter emergencial e sem concorrência pública, assim permanecendo até hoje.

Porém, o mais incrível e alucinante vem agora: No mês 07/2017 a prefeitura concluiu uma concorrência pública cujo objetivo era a limpeza, conservação, manutenção de áreas e equipamentos.

Mesmo com a conclusão desta concorrência, nenhuma empresa nova foi chamada até hoje. Mais ainda. Na Imprensa Oficial do Município de 01/12/2017 foi prorrogado o contrato com a TRAIL (entenda-se TEJOFRAN) por mais 3 meses pelo valor de R$ 18.460.963,05. Isso mesmo. Tudo em caráter emergencial e sem concorrência pública.

Apenas um detalhe interessantíssimo: Naquela concorrência que terminou em 07/2017 e que está parada até hoje, a trail (entenda-se TEJOFRAN) ficou colocada como uma das últimas na classificação final. Além de não chamarem ninguém daquela lista de empresas da concorrência, eles prorrogaram o contrato com a TRAIL (entenda-se TEJOFRAN) por mais 3 meses por quase R$ 19 milhões.

Amigos, não tem apenas um boi nessa linha. Tem uma boiada inteira.

Para conferirem o relatório final da dita concorrência cliquem aqui.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

ADEUS AO PRÉ-SAL ! ! !

FOTO: O deputado federal Miguel Haddad, que votou a favor da isenção fiscal total para as petroleiras estrangeiras na exploração do Pré-Sal, continua causando prejuízos enormes à sociedade brasileira e envergonhando de forma irreversível a cidade de Jundiaí.

O ministro do Departamento de Comércio Internacional do Reino Unido, Greg Hands, pressionou o governo brasileiro para facilitar o caminho para a British Petroleum, Shell e Premier Oil Britânicas e garantir blocos de petróleo na polêmica região pré-sal do país.

O governo britânico congratulou-se com o movimento do governo brasileiro para abrir as rodadas brasileiras de licitação do pré-sal para as companhias petrolíferas internacionais.

Além disso, na sessão da Câmara dos deputados de 29/11/17 foi aprovada a Medida Provisória 795/2017, que concede isenção de impostos para as empresas petrolíferas estrangeiras na exploração do petróleo brasileiro. Um crime contra o patrimônio nacional.

A medida vai impor perdas monumentais da ordem de R$ 1 trilhão aos cofres da União em decorrência desta isenção fiscal. Vale lembrar que a reserva de petróleo do Pré-Sal é estimada em 100 bilhões de barris.

Apenas um detalhe sobre este escândalo: O glorioso deputado federal Miguel Haddad, que já havia votado a favor da terceirização, a favor do fim da CLT e já disse que é a favor da reforma e do fim da previdência social pública, votou a favor da entrega do petróleo nacional para as petroleiras inglesas com esta infame isenção de impostos.

De fato, este parlamentar do PSDB não está nem aí com a riqueza nacional. A sua maior preocupação é com os seus trabalhos ligados à especulação imobiliária em Jundiaí, onde participam ativamente as empresas Área Urbanização e Loteamentos Ltda. e Roma Urbanização e Loteamentos Ltda., ligadas à sua família e onde ele é um dos sócios.

Confiram como votou o deputado federal Miguel Haddad sobre a renúncia fiscal e a entrega do Pré-Sal para as petroleiras inglesas:

**** CLIQUE SOBRE AS IMAGENS PARA AUMENTAREM DE TAMANHO ****